15/05/2019


Controle Interno de Santa Catarina é apresentado em seminário no Nordeste



 

Em participação no 1º Seminário de Controle Interno que abordou os temas “Observatório da Despesa Pública e IA-CM: modelos de atuação e fortalecimento do controle interno”, o auditor interno da Secretaria da Fazenda (SEF/SC) Rodrigo Stigger Dutra apresentou o trabalho desenvolvido para aperfeiçoamento da área em Santa Catarina. Durante a palestra “IA-CM (Modelo de Capacidade de Auditoria Interna): a implementação do modelo em Santa Catarina e a experiência do governo Indonésio”, Dutra apresentou o processo de implantação e aplicação do Modelo no Estado. O evento, realizado na última semana em Recife (PE), foi promovido pelo Conselho Nacional de Controle Interno (Conaci) e pelo Banco Mundial.

“O importante, de fato, é que a evolução da auditoria Interna no país se dê de forma harmônica e em todas as regiões, pois um desenvolvimento desigual leva ao enfraquecimento da cadeia de controle interno”, afirma Dutra.

Em 2018, o auditor realizou uma visita técnica na Indonésia, a convite do Banco Mundial e do Conaci, para o intercâmbio de informações, experiências e busca de soluções para a implantação do IA-CM em Santa Catarina. “A Indonésia, por exemplo, trabalha no programa desde 2010, e sua meta para este ano é conseguir que 85% das unidades de auditoria que utilizem o IA-CM atinjam o nível três, caracterizado pela aplicação uniforme de práticas profissionais de AI e de gestão”, enfatiza Dutra.

Modelo de Capacidade de Auditoria Interna (IA-CM)

O IA-CM permite que sejam identificados os fundamentos necessários para uma auditoria eficaz no setor público, determinando níveis e estágios pelos quais a atividade de auditoria Interna pode evoluir. O Modelo é dividido em cinco níveis de maturidade: Inicial (nível 1), Infraestrutura (nível 2), Integrado (nível 3), Gerenciado (nível 4) e Otimizado (nível 5). Em Santa Catarina, o IA-CM que começou a ser estudado em 2015 e implantado em 2018, já alcançou o nível dois, em que práticas e procedimentos são sustentáveis e repetidos – a consolidação deste nível se materializará por meio da criação da Controladoria-Geral do Estado (CGE/SC).