04/08/2017


Arrecadação do Estado tem crescimento acumulado de 6,8% em 2017


Dados de julho dão sinais de recuperação, mas não cobrem perdas provocadas pela crise econômica


 

A arrecadação do Estado registrou crescimento acumulado de janeiro a julho de 6,8%, contra inflação de 3%. O mês de julho fechou com evolução de 12% em relação ao mesmo período do ano passado. A arrecadação de R$ 1,8 bilhão é o melhor resultado apresentado em um mês de julho desde 2011. Em ambos os casos são considerados ICMS, IPVA, ITCMD, taxas estaduais e repasses da União.

Para o secretário da Fazenda, Almir Gorges, os dados do último mês mostram sinais de recuperação na arrecadação, mas é cedo para comemorar. “Os resultados ainda não cobrem as perdas acumuladas durante quase três anos seguidos de queda em função da crise econômica. O passivo do Estado exige de todos os gestores públicos enorme cautela na gestão dos gastos”, afirma Gorges.

A arrecadação tributária de 2017 está R$ 46 milhões abaixo do previsto pelo Governo na Lei Orçamentária Anual (LOA). Em termos percentuais, isso significa que se o ano terminasse agora, o Estado teria atingido 99,6% do orçado.

DESEMPENHO SETORIAL

SOBE 

Têxtil – o setor lidera os maiores crescimentos de ICMS no acumulado de 2017, com 25,7%. O resultado reflete intenso monitoramento dos contribuintes e mudanças na legislação que proibiram o acúmulo de créditos de ICMS.

Embalagens – a arrecadação do setor no acumulado do ano apresenta 20,5% em relação ao mesmo período de 2016. Tradicionalmente, o desempenho do setor é visto como um indicativo das vendas da indústria.

Bebidas – o setor apresenta crescimento acumulado de 15,76% na arrecadação de ICMS. O varejo está renovando seus estoques de cerveja, mas ainda é cedo para dizer se é sinal de retomada do consumo.

Redes – o segmento de redes de lojas e supermercados apresenta incremento de 15,3% no acumulado do ano. O resultado reflete trabalho de auditorias fiscais seguidas de recuperação de grandes volumes de ICMS devido e não pago.

Agroindústria – o setor apresenta crescimento acumulado de 15,29% no ano, mas tem uma participação muito pequena na arrecadação estadual, pouco mais de 2%. O desempenho é resultado de novos procedimentos para dificultar a sonegação e limitar os benefícios fiscais às atividades estratégicas para a economia do Estado.

DESCE 

Energia – responsável por 13% da arrecadação de ICMS em SC, o setor continua amargando quedas significativas. No acumulado do ano, o decréscimo alcança -11,27%. A redução de tarifas, o baixo consumo e contestações judiciais são fatores que refletem o desempenho negativo.

Metal – alterações nas regras do ICMS sobre o comércio eletrônico, que passaram a vigorar no final de 2016, continuam influenciando negativamente a arrecadação do setor, que apresenta queda de -1,75% no acumulado do ano. A perda com as mudanãs é de cerca de R$ 2 milhões/mês.

Participação dos setores na arrecadação de ICMS

Combustíveis – 20%

Energia Elétrica – 13%

Redes e Supermercados – 11%

Bebidas – 8%

Material de Construção – 7%

Comunicações – 6%

Automotivo/Náutico – 5%

Têxteis – 5%

 

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado da Fazenda